GEAP

Entidades nacionais dos trabalhadores entram na justiça contra aumento de 19,94% no plano de saúde da GEAP

Aumento absurdo foi aprovado por representantes do governo e decisão publicada em 28 de dezembro; entidades dos trabalhadores dizem não e querem novo modelo de gestão compartilhada

Os servidores federias assistidos pela GEAP sofreram mais um golpe dos representantes do governo Temer que aprovaram novo reajuste para o plano de saúde GEAP. O percentual aprovado foi de 19,94%. A resolução do novo reajuste para o ano de 2018 foi publicada no dia 28/12/2017.

Os representantes dos trabalhadores no Conselho de Administração (Conad) da Geap, entre eles o secretário do Sindsprev-PE, Irineu Messias, votaram contra o percentual que foi aprovado. Defenderam na reunião um reajuste de 11,1%, baseado em uma das análises da assessoria técnica da própria GEAP. Os trabalhadores, infelizmente, perderam na votação. O governo sempre consegue a maioria na votação porque o presidente do conselho, que é um representante do governo, tem o voto de minerva, ou seja, em caso de empate, ele decide o resultado votando mais uma vez.

Em nota assinada contra o aumento, os representantes dos trabalhadores fazem críticas ao aumento proposto pelo governo e reiteram a necessidade de um novo modelo financeiro para sanar os problemas que a entidade vem enfrentando. Os dirigentes destacam no documento que “os servidores não devem mais arcar sozinhos com os custos de saúde da GEAP, que deve ser bancado também paritariamente pelo Governo Federal, uma vez que, todos os reajustes sempre foram decididos – como este agora – pelo voto de minerva dos representantes da União. A atual situação revela a urgente necessidade da implementação de um novo modelo de sustentabilidade financeira, reivindicado pelos conselheiros eleitos desde 2014.”

“Nós, trabalhadores, contribuímos com aproximadamente 80% (oitenta por cento) do custeio e ainda assim o governo insiste em não viabilizar uma gestão compartilhada com quem de fato, majoritariamente, sustenta a GEAP, que são os assistidos. Nós, conselheiros eleitos, defendemos um modelo de gestão compartilhada por entendermos que este modelo vai aprimorar a gestão da Geap. O atual modelo, historicamente vem demonstrando que precisa ser renovado. Esta renovação deve se dar através de um debate franco e permanente. Este modelo de gestão compartilhada precisa ser negociado democraticamente com a representação eleita pelos assistidos que anseiam por este novo modelo de gestão”, afirma o documento.

Para o secretário Geral do Sindsprev PE e conselheiro eleito do CONAD/GEAP, Irineu Messias, o governo precisa assumir sua responsabilidade no plano, ele quer comandar, indicar todos os cargos de gerência, decidir os valores do reajuste, mas não quer pagar a conta, o governo deveria arcar com pelo menos 50% dos custos. O Sindsprev-PE repudia a postura irresponsável do governo Temer.  Muitos servidores certamente não suportarão mais esse reajuste.

Por esta razão as entidades nacionais, juntamente com o Sindsprev-PE, entraram com uma ação judicial, contra a União, para que a mesma assuma sua responsabilidade financeira e seja obrigada a aportar mais recursos na GEAP, para que não ocorram mais reajustes tão absurdos que só penalizam os servidores e prejudicam o próprio plano com a saída constante de milhares de assistidos. A assessoria jurídica do sindicato já está analisando as medidas cabíveis para barrar mais esse reajuste absurdo.

Veja a íntegra da nota

Post anterior

Sindprev/BA presente na festa religiosa do Senhor do Bonfim

Próximo post

Governo tenta evitar reajuste dos servidores públicos

sindprevbaorg

sindprevbaorg

Nenhum comentário

Deixe um comentário